You are currently viewing MPC investiga possíveis irregularidades em mural derretido da Prefeitura

MPC investiga possíveis irregularidades em mural derretido da Prefeitura

Embora assinada pelo renomado artista Eduardo Kobra, obra foi orientada a distância; órgão vai pedir que a obra seja restaurada pelo próprio autor 

O Ministério Público de Contas de Roraima (MPC/RR) informou que, após tomar conhecimento de denúncias relacionadas à deterioração precoce do mural artístico inaugurado em dezembro de 2020 ao custo de R$ 400 mil, no Parque do Rio Branco, em Boa Vista, instaurou Procedimento Investigativo Preliminar (PIP) para apurar possíveis irregularidades na aplicação de recursos públicos.

Procurado pela reportagem do Política Macuxi, o órgão informou, em nota, que será feito pedido para que a obra seja devidamente restaurada, com a solicitação de passagens para que o profissional responsável a faça pessoalmente, visto que se trata de um serviço contratado por meio de inexigibilidade de licitação.

No final do ano passado, o MPC ingressou com representação para paralisação das obras do Parque do Rio Branco, e da “Selvinha Amazônica” situada no local, após constatar indícios de irregularidades. O órgão afirma que permanece investigando demais contratações relacionadas àquele local.

Questionados pelo Política Macuxi, o Tribunal de Contas de Roraima (TCE) e o Ministério Público de Roraima (MPRR) não responderam se o dano da obra pode ser objeto de investigação pelos órgãos fiscalizadores em questão.

Tapumes

A iguana gigante, pintada pela equipe do artista com orientações remotas, custou R$ 400 mil e ocupa um espaço de 180 metros, na lateral esquerda do parque. A imagem está praticamente desmanchada. Nesta sexta-feira (23), o local apareceu coberto por tapumes.

Em outros trechos do parque, também é possível perceber que os outros murais que compõem o espaço estão com rachaduras. A prefeitura apresentou edital para selecionar obras de artistas locais e pagou R$ R$ 6 mil para cada um dos 25 artistas inscritos.

Ao todo, cerca de R$ 134,4 milhões foram gastos para construir o parque. Desse valor, aproximadamente R$ 40 milhões foram de contrapartida do município. A inauguração, feita dois anos após início das obras, teve aglomeração em meio a pandemia.

Políticos criticam gasto da prefeitura 

Políticos usaram as redes sociais para criticar o que chamaram de falta de planejamento e mal uso dos recursos públicos pela Prefeitura de Boa Vista. As críticas foram desencadeadas pelos murais do parque do Rio Branco, em especial, a obra feita a distancia por Eduardo Kobra, artista reconhecido internacionalmente, e que se deteriorou apenas quatro meses após a inauguração do parque, em dezembro do ano passado.

O senador Telmário Mota (Pros) apontou que os recursos utilizados para obra poderiam ter sido gasto na saúde. Assista ao vídeo:

O deputado federal Ottaci Nascimento (SD) classificou a obra como um prejuízo para a população.

A deputada federal Shéridan Oliveira (PSDB) disse estar triste com o episódio e cobrou posicionamento dos órgãos fiscalizadores.

O sociolólogo e ex-vereador Linoberg Almeida (Rede), um dos principais opositores à gestão de Teresa Surita, prefeita de Boa Vista à época da inauguração, pontou que faltaram estudos para saber se a parede que iria receber a obra estava com algum dano.