You are currently viewing Sem suporte tecnológico, professores cobram notebooks comprados por R$ 16 milhões pela Prefeitura

Sem suporte tecnológico, professores cobram notebooks comprados por R$ 16 milhões pela Prefeitura

Com o retorno das aulas na rede municipal de ensino, que reiniciaram nesta segunda-feira, 08, de forma remota, após 11 meses de paralisação, professores denunciaram a falta de suporte tecnológico e planejamento por parte do município.

Os profissionais alegam que a Prefeitura de Boa Vista não realizou a distribuição de nenhum dos 4.154 notebooks adquiridos em outubro de 2020 pelo valor de R$ 16 milhões, e que muitos não têm como dar aulas pela internet.

“Esses notebooks foram comprados com dinheiro do Fundeb em um processo que ficou sem nenhum tipo de fiscalização. Já cobramos tanto da antiga gestão [Teresa Surita] quanto da nova [Arthur Henrique]. A Prefeitura teve 11 meses para se planejar para o retorno das aulas e não nos ofereceu suporte técnico nem ferramentas”, afirmou a professora Regy Carvalho, que integra o Coletivo de Servidores da Educação Municipal.

Segundo ela, somente na sexta-feira passada, dia 05 de fevereiro, os profissionais receberam o planejamento de retomada das aulas. “Entregaram o plano sem um prazo para nos planejarmos e sem recursos tecnológicos, e aí entra a questão dos notebooks e tablets. Não tivemos treinamento, curso, nem capacitação, jogaram a bomba para nós”, denunciou.

Conforme a professora, muitos pais afirmaram que não têm como os filhos assistirem às aulas por conta da falta equipamentos. “Nem para os pais tiveram cuidado. A maioria dos alunos não tem internet, nem celular, tem gente que está com familiar doente. a educação do município está desassistida em todos os aspectos”, disse.

“A Prefeitura está excluindo as pessoas, os pais estão nos ligando chorando e isso é um problema muito grande que impacta diretamente na educação das crianças. Exigem que atuemos sem esse suporte e isso é desumano. Deviam ter feito levantamento econômico e social para entender quem teria a necessidade dos equipamentos”, complementou.

Coletivo de professores municipais cobra, por meio das redes sociais, notebooks adquiridos por valor milionário

Entenda
Após abrir licitação no valor de R$ 11 milhões para aquisição 4.154 notebooks, revogada em outubro do ano passado, o município decidiu reabrir, no final de novembro, um novo processo com a mesma quantidade de equipamentos, mas pelo valor de R$ 16 milhões.

O primeiro processo para compra de notebooks do tipo chromebooks, de nº 013331/2020, no valor superior a R$ 11 milhões, é referente ao edital 148/2020, da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec), tendo sido aberto em setembro e revogado no mês seguinte. Já o processo de nº 016022/2020, referente ao edital 178/2020, com o mesmo objeto do primeiro, foi publicado em novembro, no valor de R$ 16.130.480,48.

Além dos notebooks, a Prefeitura também abriu o processo nº 016142/2020, edital 175/2020, para aquisição de 1.300 tablets pelo valor de R$ 4.394.065,00, logo após também ter revogado o primeiro processo, de nº 013309/2020, edital 147/2020, onde compraria a mesma quantidade de equipamentos por R$ 3.814.629,00.

Outro lado- Em nota encaminhada à reportagem do Política Macuxi, a Prefeitura de Boa Vista informou que, todas as informações oficiais foram previamente divulgadas por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. “Qualquer dúvida, o professor pode procurar a gestão da unidade escolar em que trabalha”.

Conforme o município, as atividades serão remotas e o professor que entender que não dispõe dos recursos necessários em Home Office, tem a sua disposição toda estrutura da unidade de ensino para realizar suas atividades. A escola estará pronta para dar todo suporte necessário, zelando pelo protocolo de prevenção a COVID-19.

A Secretaria Municipal de Educação informou, ainda, que o processo de aquisição dos tablets e notebooks faz parte do planejamento para a Prefeitura de Boa Vista atender os profissionais com as aulas remotas. A Secretaria aguarda o processo burocrático para a aquisição dos materiais.

Deixe um comentário