Governo transfere 27 pacientes para UTI do Amazonas

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

27 pacientes que estavam aguardando vaga na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em Roraima serão transferidos para o Amazonas, após negociação entre os governadores Antônio Denarium (Sem Partido) e Wilson Lima (PSC).

A reportagem do Política Macuxi teve acesso ao pedido de ajuda feito por Denarium. No documento encaminhado ao governador do Amazonas, ele aceita a oferta das UTIs e explica como deve funcionar a transferência dos pacientes.

“Após ter sido disponibilizado ajuda de forma livre e voluntária ao Estado de Roraima, guiado pelos melhores interesses de proteção à vida, vimos aceitar de bom grado, diante da necessidade de contar com o excedente de leitos de UTI disponíveis no Estado do Amazonas”

Neste domingo a ocupação no Hospital geral de Roraima chegou ao limite máximo e o HGR tem mais de 250 pessoas internadas.

A transferência dos 27 pacientes deve começar neste domingo e o governo não divulgou quais os critérios de escolha para os transferidos.

“Conversamos com o governo do Amazonas e com o Ministro da Saúde para nos apoiar nessa questão pois neste momento o que importa é salvar vidas”.

Ouça o Áudio do governador

Comando Militar fará transporte por UTI Aérea

O acordo de transferência dos pacientes foi feito após entendimento mantido com a Operação Acolhida em Roraima, com o Ministro da Saúde, General Eduardo Pazzuelo e com o Secretário de Estado da Saúde de Roraima, Marcelo Lopes.

Quanto ao transporte em UTI aérea, o governo de Roraima fez acordo com o Comando Militar da Amazônia, que fará o transporte  entre Boa Vista até Manaus, e o respectivo regresso.

O Ministério da Saúde também interviu, e vai disponibilizar as UTIs Aéreas para transferir os pacientes. O transporte será feito via convênio entre o Ministério da Saúde e o próprio Comando Militar da Amazônia.

“Assim vamos atender a todos que precisam de UTI pois chegamos no limite e no Amazonas o pico ocorreu 40 dias atrás, então eles têm leitos de UTI disponíveis sem o suporte do hospital de campanha, cujo início do funcionamento só deve ocorrer no final da próxima semana, a saída foi pedir ajuda ao estado vizinho que já saiu da fase crítica da doença”, explicou o governador Antônio Denarium durante entrevista à uma rádio local.

Hospital de Campanha deve começar a funcionar na próxima semana

Na mesma entrevista, o comandante da Acolhida, general Manoel Barros explicou que a nova dificuldade enfrentada para abertura do hospital de campanha é a falta de corpo clínico. Depois da contratação e treinamento dos médicos faltaram técnicos de enfermagem.

“Quero olhar para a frente para buscar solução. O hospital não terá inauguração, apenas vai começar a funcionar na próxima semana se tudo der certo. Temos parte dos insumos e corpo clínico quase fechado. Falta organizar as escalas e vamos começar a funcionar o mais rapidamente possível. Acreditamos que esta semana efetivamente vamos começar a atender os 80 leitos e a expansão desse percentual de atendimento de imediato”.

Vice governador critica atraso

O Vice governador de Roraima, Frutuoso Lins (SD), que se recuperou recentemente de COVID, criticou o embate político que vem sendo travado entre o governo de Roraima e a Prefeitura de Boa Vista.

“O Estado de Roraima e a Prefeitura de Boa Vista tiveram tempo suficiente para preparar o sistema de saúde para o enfrentamento dessa pandemia , mas preferiram o embate político e a incompetência gerencial e nada, ou quase nada fizeram para enfrentar de verdade essa doença”.

Para Lins, era preciso que os órgãos de controle tomassem providências quanto essa questão.

“Brincaram com a saúde dos Roraimenses, se fôssemos um Estado que tivéssemos órgãos de controle eficientes e sérios, seriam punidos na forma da Lei. Um absurdo completo que fizeram com a população. Só vimos despedidas fúnebres nas redes sociais. Eu me pego pensando, várias denúncias e nenhuma ação seria dos órgãos de controle. Lamentável!”.