Governo transfere 27 pacientes para UTI do Amazonas

Governo transfere 27 pacientes para UTI do Amazonas

27 pacientes que estavam aguardando vaga na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em Roraima serão transferidos para o Amazonas, após negociação entre os governadores Antônio Denarium (Sem Partido) e Wilson Lima (PSC).

A reportagem do Política Macuxi teve acesso ao pedido de ajuda feito por Denarium. No documento encaminhado ao governador do Amazonas, ele aceita a oferta das UTIs e explica como deve funcionar a transferência dos pacientes.

“Após ter sido disponibilizado ajuda de forma livre e voluntária ao Estado de Roraima, guiado pelos melhores interesses de proteção à vida, vimos aceitar de bom grado, diante da necessidade de contar com o excedente de leitos de UTI disponíveis no Estado do Amazonas”

Neste domingo a ocupação no Hospital geral de Roraima chegou ao limite máximo e o HGR tem mais de 250 pessoas internadas.

A transferência dos 27 pacientes deve começar neste domingo e o governo não divulgou quais os critérios de escolha para os transferidos.

“Conversamos com o governo do Amazonas e com o Ministro da Saúde para nos apoiar nessa questão pois neste momento o que importa é salvar vidas”.

Ouça o Áudio do governador

Comando Militar fará transporte por UTI Aérea

O acordo de transferência dos pacientes foi feito após entendimento mantido com a Operação Acolhida em Roraima, com o Ministro da Saúde, General Eduardo Pazzuelo e com o Secretário de Estado da Saúde de Roraima, Marcelo Lopes.

Quanto ao transporte em UTI aérea, o governo de Roraima fez acordo com o Comando Militar da Amazônia, que fará o transporte  entre Boa Vista até Manaus, e o respectivo regresso.

O Ministério da Saúde também interviu, e vai disponibilizar as UTIs Aéreas para transferir os pacientes. O transporte será feito via convênio entre o Ministério da Saúde e o próprio Comando Militar da Amazônia.

“Assim vamos atender a todos que precisam de UTI pois chegamos no limite e no Amazonas o pico ocorreu 40 dias atrás, então eles têm leitos de UTI disponíveis sem o suporte do hospital de campanha, cujo início do funcionamento só deve ocorrer no final da próxima semana, a saída foi pedir ajuda ao estado vizinho que já saiu da fase crítica da doença”, explicou o governador Antônio Denarium durante entrevista à uma rádio local.

Hospital de Campanha deve começar a funcionar na próxima semana

Na mesma entrevista, o comandante da Acolhida, general Manoel Barros explicou que a nova dificuldade enfrentada para abertura do hospital de campanha é a falta de corpo clínico. Depois da contratação e treinamento dos médicos faltaram técnicos de enfermagem.

“Quero olhar para a frente para buscar solução. O hospital não terá inauguração, apenas vai começar a funcionar na próxima semana se tudo der certo. Temos parte dos insumos e corpo clínico quase fechado. Falta organizar as escalas e vamos começar a funcionar o mais rapidamente possível. Acreditamos que esta semana efetivamente vamos começar a atender os 80 leitos e a expansão desse percentual de atendimento de imediato”.

Vice governador critica atraso

O Vice governador de Roraima, Frutuoso Lins (SD), que se recuperou recentemente de COVID, criticou o embate político que vem sendo travado entre o governo de Roraima e a Prefeitura de Boa Vista.

“O Estado de Roraima e a Prefeitura de Boa Vista tiveram tempo suficiente para preparar o sistema de saúde para o enfrentamento dessa pandemia , mas preferiram o embate político e a incompetência gerencial e nada, ou quase nada fizeram para enfrentar de verdade essa doença”.

Para Lins, era preciso que os órgãos de controle tomassem providências quanto essa questão.

“Brincaram com a saúde dos Roraimenses, se fôssemos um Estado que tivéssemos órgãos de controle eficientes e sérios, seriam punidos na forma da Lei. Um absurdo completo que fizeram com a população. Só vimos despedidas fúnebres nas redes sociais. Eu me pego pensando, várias denúncias e nenhuma ação seria dos órgãos de controle. Lamentável!”.

 

Deixe uma resposta