União Brasil mantém Catarina Guerra na Disputa pela prefeitura de Boa Vista

Crédito:

Compartilhe:

Em um movimento que promete alterar o cenário político de Boa Vista, a Executiva Nacional do União Brasil divulgou uma nova resolução que redefine o processo de escolha de candidatos para prefeituras em cidades com mais de 200 mil habitantes.

Esta medida tem um impacto direto na acirrada disputa interna entre a Deputada Estadual Catarina Guerra e o Deputado Federal Nicoletti, ambos com pretensões de representar o partido na corrida pela prefeitura da capital de Roraima.

A resolução estipula que as propostas de coligação e candidaturas para as eleições de 2024 em municípios relevantes devem ser submetidas para a homologação da Executiva Nacional, centralizando decisões anteriormente delegadas a órgãos estaduais.

Essa decisão tira automaticamente o poder de Nicoletti , que é presidente estadual e tinha barrado a candidatura de Catarina.

Especificamente em Boa Vista, esta resolução coloca a pré-candidatura de Catarina Guerra sob os holofotes, conferindo-lhe uma chance legítima de disputar a nomeação pelo partido, baseada em sua performance política.

Pelo atual cenário, Catarina deve vencer a disputa interna por ter apoio do Republicanos e do Progressistas, além de apoio de   autoridades como o governador Antonio Denarium e os senador Mecias de Jesus e Hiran Gonçalves.

“O União Brasil inovou para o pleito de 2024 e publicou uma resolução interna que a decisão para cidades capitais de estados, não caberá ao presidente estadual e sim, a uma comissão formada por representantes nacionais do partido. Em minha opinião, esta comissão, escolherá o candidato que estiver melhor posicionado nas intenções de voto. Hoje sei que tenho todas as condições de ser a candidata do União Brasil, assim me posto como pré-candidata com aval do presidente Antônio Rueda, o qual me informou sobre esta democrática decisão”

O senador Hiran Gonçalves, presidente do partido Progressistas destacou a importância da resolução como um avanço democrático e estratégico, enfatizando que a decisão final não mais repousa apenas nas mãos da Executiva Estadual.

“Além de ser uma atitude muito democrática, ela dá o direito da nossa pré-candidata Catarina Guerra a disputar, na corrente da pré-campanha, com uma posição no partido, e como nós temos aí já uma performance boa da Catarina, acreditamos que ela será escolhida pela União Brasil, pois a decisão não fica mais no âmbito da Executiva Estadual” explicou

Confira a resolução

PUBLICIDADE