Lula manda 9 ministros para RR para implantar Casa de Governo

Crédito:

Compartilhe:

Nove ministros, além de autoridades governamentais estão em Boa Vista, nesta quinta-feira (29/2), para inaugurar a Casa de Governo no Estado de Roraima, órgão federal que vai coordenar o enfrentamento da crise humanitária que aflige a Terra Indígena (TI) Yanomami.

Participaram do evento os ministros Ricardo Lewandowski (Justiça), José Múcio (Defesa), Sonia Guajajara (Povos Indígenas), Nísia Trindade (Saúde), Wellington Dias (Desenvolvimento e Assistência Social), Esther Dweck (Gestão e Inovação), Marina Silva (Meio Ambiente), Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar) e Jorge Messias (AGU), além de representantes de outros órgãos federais.

O decreto de criação da estrutura unificada, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi publicado nesta quarta-feira (28), no Diário Oficial da União.

A Casa de Governo vai integrar a gestão das ações de ministérios, como Educação, Saúde, Povos Originários e Direitos Humanos, e de órgãos envolvidos com o problema, como Polícia Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além de ministérios como Educação, Saúde, Povos Indígenas e Direitos Humanos.

Vinculada à Secretaria Especial de Articulação e Monitoramento da Casa Civil da Presidência da República, a casa também será um canal de diálogo com lideranças ianomâmis. O objetivo, segundo a Casa Civil, é “assegurar a retomada do modo de vida indígena e o combate a ações ilícitas, como desmatamento e mineração ilegal”.

Outra atribuição da estrutura unificada é coordenar e monitorar a execução do Plano de Desintrusão e de Enfrentamento da Crise Humanitária na Terra Indígena Yanomami, em vigor desde o início do ano passado. De acordo com o decreto presidencial, o novo organismo de gestão também servirá como interlocutor entre o governo federal e os governos do estado e dos municípios de Roraima “na execução de políticas públicas emergenciais e permanentes, além de acompanhar a implementação e gerenciar crises relacionadas a elas”.

Crise humanitária

O governo federal reservou R$ 1,2 bilhão do orçamento de 2024 para bancar o atendimento humanitário e as ações de desintrusão na terra indígena. Parte dos recursos será usada, também, na construção do primeiro hospital indígena em Boa Vista — com atendimento especializado de média e alta complexidades — e na implantação e reforma de 22 unidades básicas de saúde (UBS). Ainda estão previstas a ampliação e modernização da Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casai) de capital roraimense e a construção de um centro de referência contra desnutrição na região de Surucucu, principal base de apoio no interior da TI Yanomami.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE