Prefeitura desconta no salário de cuidadores de alunos que fizeram greve

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Mesmo o Sitram (Sindicato dos Trabalhadores de Boa Vista) tendo apresentado alternativas para que o Executivo abonasse as faltas dos dias em que os cuidadores de aluno ficaram de greve, que durou 51 dias, a Prefeitura de Boa Vista descontou nos salários desses trabalhadores. O sindicato fez o pedido durante audiência de conciliação, realizada ontem (28), com o desembargador Mozarildo Cavalcanti e representantes do município.

O vereador Ítalo Otávio (Republicanos) lamentou a atitude adotada pela prefeitura, mas garantiu que, junto com outros colegas de parlamento, continuará com o trabalho que vem fazendo em defesa desses trabalhadores. “Greve é um movimento constitucional, desde que obedeça aos critérios judiciais. Tanto é legal que, nos primeiros dias de protesto, a própria justiça havia determinado que somente 50% dos cuidadores lotados nas creches e escolas do município participassem da greve”.

O parlamentar acredita que ainda é possível rever essa questão, por meio do diálogo. “Não precisa penalizar esses trabalhadores que lutavam por seus direitos. Então, espero que a prefeitura reveja essa decisão. Fico triste por eles [cuidadores de aluno], porque têm filhos, muitos moram de aluguel, têm contas a pagar, entre outras despesas”, ressaltou.

“O prefeito Arthur Henrique poderia rever isso, pois a gente não precisa desse embate. A greve acabou, os projetos do Executivo foram votados e aprovados pela Câmara. Vamos valorizar esses profissionais, pois são eles que cuidam das crianças, inclusive autistas, que estudam nas casas mães e escolas do município de Boa Vista”, Ítalo Otávio

AUDIÊNCIA – Uma nova audiência de conciliação será retomada, após a realização de uma reunião entre o Sitram e a PMBV, conforme estabelecido pelo desembargador relator, Mozarildo Cavalcanti.

REUNIÃO – Na tarde de ontem, dia 28, os vereadores Ítalo Otávio, Aline Rezende, Melquisedek e Albuquerque, e Sueli Cardozo e Lucinalda Coelho, ambas diretoras do Sitram, estiveram na Secretaria de Educação (Smec) para tentar uma reunião, o que não ocorreu porque a responsável pela pasta não se encontrava na secretaria.

Outro lado- A reportagem do Política Macuxi encaminhou demanda à Prefeitura, mas não obteve retorno.