You are currently viewing Lenir quer que escolas ajudem na prevenção à obesidade infantil

Lenir quer que escolas ajudem na prevenção à obesidade infantil

A prevenção e tratamento da obesidade infantil em escolas da rede pública e privada de Roraima são o foco de um projeto de lei protocolado pela deputada Lenir Rodrigues (CIDADANIA), junto à Assembleia Legislativa de Roraima e lido durante a sessão desta quinta-feira, dia 15. A ideia da parlamentar é que as crianças sejam incentivadas desde cedo a adotar hábitos que tornem suas vidas mais saudáveis, e recebam conhecimentos corretos sobre alimentação equilibrada e prática regular de atividade física.

O projeto é autorizativo, ou seja, o Governo do Estado não é obrigado a cumprir, mas pode adotar as sugestões da deputada para minimizar os impactos causados pela obesidade infantil na sociedade. Lenir comentou os índices dessa condição que pode causar diabetes, pressão arterial alta e níveis elevados de colesterol.

De acordo com a deputada, com a própria estrutura já existente no Estado será possível executar o que prevê o projeto, que é a realização de exames capazes de diagnosticar o sobrepeso, orientação sobre crescimento saudável, avaliação de condicionamento físico dos alunos, entre outros. “Uma proposta que consta na nossa proposta é uma avaliação real da merenda escolar, que pode e precisa ser saudável, com a inserção de verduras, legumes e até frutas regionais. Além do incentivo a atividades físicas motivando aptidões dos estudantes durante todo o ano letivo”, comentou.

Lenir disse que a instituição da lei vai servir também para regulamentar algumas iniciativas isoladas já existentes. “Uma proposta que fazemos, por exemplo, é que as instituições públicas e privadas realizem as avaliações físicas nos alunos a cada seis meses, além de testes de antropometria, entre outros que ajudem a diagnosticar a obesidade”, disse. Para ela, atividades simples, como a inserção do tema em reuniões de pais e mestres, e a realização de encontros trimestrais com a participação de médicos, nutricionistas e psicólogos que possam orientar e incentivar a reeducação alimentar.

A Organização Mundial de Saúde estima que até 2025, o número de crianças obesas no mundo pode chegar a 75 milhões. No Brasil, 9,4% das meninas e 12,4% dos meninos são considerados obesos, conforme os critérios adotados pela OMS para a classificação de obesidade infantil. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que uma a cada três crianças, com idade entre cinco e nove anos, está acima do peso.