You are currently viewing Expectativa é que Roraima seja primeiro estado à concluir vacinação

Expectativa é que Roraima seja primeiro estado à concluir vacinação

Roraima ainda não tem uma previsão de quando iniciará a vacinação para aqueles que não se encaixam nos grupos prioritários, porém, a expectativa é que o estado seja o primeiro a imunizar toda a população.

A informação foi repassada pelo governador Antonio Denarium e o secretário estadual de saúde, Marcelo Lopes, durante coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, 19, sobre o recebimento das doses e início da vacinação.

Contanto, para que a imunização seja concluída de forma eficiente, será preciso que novas doses cheguem ao Estado. As 87 mil doses recebidas neste primeiro momento serão utilizadas para duas etapas de vacina, explicou o governador.

“A primeira etapa começa agora e a segunda etapa começa em 14 dias. Agora serão 44 mil pessoas aproximadamente, nessa primeira fase. Vamos atingir 20% da população, com esse público alvo”, afirma Denarium.

O secretário de saúde explica que a primeira remessa de fase também tem uma complexidade maior por se tratar de atendimento às áreas indígenas.

“O distrito yanomami tem as suas particularidades, seja na região da serra ou por conta do número de comunidades. Os profissionais e trabalhadores de saúde, até o final dessa semana, vamos ter todos os profissionais vacinados exceto aqueles estão em terra indígena”, afirmou.

Quanto aos demais, que não se encaixam no perfil estabelecido, a vacinação deve ocorrer assim que encerrar as duas etapas da imunização do grupo prioritário e com o recebimento de novas doses adquiridas pelo Governo Federal.

“Precisamos ficar felizes com aquele que estiver vacinado, mesmo que não seja no nosso grupo. Quando um se vacina, se vacina por ele e pelos demais, pela sua família”, ressaltou Lopes.

MIGRANTES – O secretário estadual da saúde reforçou que não haverá prioridade para migrantes venezuelanos, com exceção para aqueles que se encaixam nos grupos prioritários estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS).

“Se o migrante for profissional de saúde e estiver trabalhando, vai ser vacinado. Mas por se encaixar no perfil de profissional da saúde, não por ser migrante”, completou.

Saiba quem são os primeiros vacinados

Os escolhidos para receber a primeira dose da vacina foram a indígena Iolanda Pereira da Silva, a profissional da saúde Gilda Aparecida e o idoso José Ribeiro. Iolanda foi a primeira roraimense a ser vacinada contra a COVID-19.

“Me sinto muito feliz de estar aqui e ter sido escolhida entre tantos indígenas dos dois distritos de Roraima. Espero que todos os meus parentes tomem a vacina e se protejam contra essa doença”, agradeceu.

A técnica de enfermagem Gilda Aparecida de Oliveira, de 54 anos, foi a segunda pessoa vacinada em Roraima. Servidora efetiva, concursada há 16 anos, está há 10 meses na linha de frente do combate ao coronavírus, atuando no Hospital Geral de Roraima.

“Sempre trabalhei na área de infectologia, e nesse momento da pandemia, tenho trabalhado no Bloco de isolamento de pacientes com COVID-19, como técnica de enfermagem. Nestes 10 meses não tive COVID-19, mas tive medo, por isso, espero que todos se vacinem. Essa doença não é brincadeira, eu vi muitas pessoas se tornarem vítimas, pessoas novas, por isso peço que todos se imunizem”, ressalta.

José Ribeiro Pereira da Silva, 82 anos, foi o terceiro a tomar a vacina. Natural do Maranhão, ele veio para Boa Vista quando ainda era jovem, em busca de melhores condições de vida e encontrou em Roraima a acolhida que tanto buscava.

“Me sinto muito feliz de estar aqui hoje. Eu já tive COVID-19, mas graças  Deus não precisei ser internado e quando soube da vacina, fiz questão de ser um dos primeiros a tomar, me sinto mais seguro porque essa prevenção é muito boa”, disse.

Entenda o cronograma de vacinação

 Nesse primeiro momento serão vacinadas pessoas com 60 anos institucionalizadas, população indígena e trabalhadores da saúde. A expectativa é concluir até a próxima sexta-feira a vacinação de todos os profissionais de saúde. Nas áreas indígenas a logística seguirá a entrega por via terrestre, aérea e fluvial, de acordo com a necessidade de cada comunidade.

“Para a campanha nacional de vacinação contra a COVID-19, o registro da movimentação das vacinas recebidas e das doses aplicadas deverão ser feitos no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização. O Núcleo Estadual será responsável pela coordenação, recebimento, armazenamento, expedição e distribuição dos insumos”, ressaltou o secretário.