Silos voltam a operar administrados pelo Governo e recebem primeira carreta de Grãos

Silos voltam a operar administrados pelo Governo e recebem primeira carreta de Grãos

O governador Antonio Denarium acompanhou, pessoalmente, junto com produtores e secretários de governo a chegada das cargas de soja, que a partir de agora irão passar pelas etapas de processamento.

“Estamos dando um grande passo pois os Silos são um instrumento fundamental para a classe de sijucultores que tem a garantia de que sua soja será bem acondicionada para, posteriormente, comercializar com a qualidade exigida pelo mercado”, destacou.

Denarium lembrou que Roraima é um dos estados com maior índice de áreas de soja plantadas no país. Segundo ele houve um aumento de 3.500, em 2013, para 50 mil hectares de áreas plantadas de soja em 2020.

“Temos um potencial, em curto prazo, de plantar mais 1 milhão de hectares de soja e aproximadamente 500 mil hectares de milho. O Governo de Roraima está fomentando a atividade com políticas públicas, valorizando o empreendedorismo e os produtores do Estado e os novos que chegam”, reforçou.

Capacidade de armazenamento

O Complexo de Silos de Monte Cristo está sob a gestão da Seapa (Secretaria de Agricultura, Pecuária e abastecimento) e tem a capacidade de armazenamento de 27 mil toneladas de grãos. A estrutura tem a principal fundação de processar os grãos garantindo uma maior qualidade no produto final.

De acordo com o secretário de Agricultura, Emerson Baú, desde a criação dos Silos, em 2002 até 2019 estavam sob os cuidados da Cooperativa Grão Norte. Assim que o governo retomou a administração do Complexo, fez uma reforma na estrutura.

“Os silos possibilitam a padronização dos grãos com a verificação do grau de umidade e grau de impureza. Com os Silos, o grão pode ficar armazenado pelo tempo que for necessário. O produtor contribui apenas com o pagamento de uma taxa estipulada pela Seapa”, informou.

Baú afirmou que o governo está fazendo a armazenagem do produto com um custo inferior ao que era praticado nos anos anteriores quando o Silos era administrado pela Cooperativa.

“Os produtores enfrentavam muitas dificuldades quanto ao valor gasto para o armazenamento. Quando o agricultor não tinha acesso aos Silos, precisa vender o produto na hora, com isso perde ficava abaixo do esperado” explicou.

Governo investe em políticas públicas de incentivo

O esforço no Governo do Estado para desenvolver a economia de Roraima, por meio da agricultura já é percebido através dos resultados positivos apresentados. O governador Antonio Denarium destacou a agilidade das emissões de licenciamentos ambientais pela Femarh (Fundação do Meio Ambiente e Recursos Hídricos) e a Regularização Fundiária.

“Assumimos um papel importante na melhoria dos serviços dos órgãos de fiscalização do estado. A Femarh está fazendo um ótimo trabalho na emissão das licenças ambientais, permitindo que os produtores tenham segurança jurídica de suas terras. O Iteraima também tem contribuído de maneira efetiva para titulação das terras”, frisou.

Outra política de governo que tem surtido efeito positivo para o seguimento agrícola do Estado é a Lei N° 215, que permite o incentivo fiscal com a isenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) aos produtores de grãos.

“A Lei N° 215 permite que todos os produtores que fizerem o projeto de exploração agropecuária e apresentarem junto à Secretaria de Planejamento terão a isenção do ICMS sobre a produção. Isso irá estimular o crescimento da atividade produtiva no Estado. Com isso, os produtores terão um custo menor com a produção”, assegurou.

Média de produção de soja em Roraima

Em 2020, o Estado de Roraima plantou 50 mil hectares de soja. Segundo o Denarium a cada quatro hectares plantado do grão gera um emprego direto e indireto.

“Atualmente, a produção de soja gera 12 mil empregos diretos e indiretos em Roraima. A produção estimada para a safra 2020 será de 150 mil toneladas de grãos de soja. Serão 5 mil carretas com 27 toneladas cada”, informou.

Ele garantiu que vários setores da economia do Estado serão beneficiados com essa produção de soja. Ao mesmo tempo, o governo vai arrecadar mais, elevando o grau de desenvolvimento econômico.

“Parte da soja produzida em Roraima já é consumida em forma de óleo pelo mercado local. E a maior parte segue para exportação. A nossa soja tem um percentual maior de óleo e de farelo, decido a melhor qualidade do grão que é produzido”, explicou.

Investimento na produção do grão de milho

Roraima possui todas as condições necessárias para a produção da soja devido ao clima e as terras. Segundo Denarium, essas características positivas têm atraído os produtores do país a procurarem o Estado para investir.

“Além da soja, outro produto que ganha destaque é o milho. Em 2020, foram plantados mais de 15 mil hectares de milho. Vamos colher mais de 3 mil carretas de milho no Estado.

Antes a grande parte do milho que era consumida em Roraima vinha dos Estados de Mato Grosso, de Goiás e de Rondônia e isso ocorria pela falta de investimentos de governos anteriores.

“Agora nossa gestão está investindo pesado para que sejamos autossuficientes na produção do milho. Isso vai possibilitar a produção da ração animal que é feita a partir do milho e da soja”, finalizou.