Ministério Público abre inquérito para investigar Hospital da Criança

Ministério Público abre inquérito para investigar Hospital da Criança

A promotoria da saúde do Ministério Público de Roraima (MPRR) transformou em Inquérito Civil Público uma denúncia feita pelo Conselho Regional de Medicina em Roraima (CRM) contra o Hospital da Criança Santo Antônio.

A fiscalização do Conselho apontou, entre outras irregularidades, falta de medicamentos, falta de sanitários para portadores de necessidades especiais e ausência de Same no hospital.

Também constataram problemas no setor de estatística e ausência de materiais básicos e fundamentais para o funcionamento do ambulatório como martelo de exame neurológico, oftalmoscópio, termômetro, manguitos para todos os tamanhos pediátricos.

O CRM também detectou superlotação e insuficiência de profissionais, além de problemas com o tempo de acesso a classificação, não cumprimento do tempo máximo de espera para atendimento médico, leitos berços para crianças com problemas nas grades, além de outras irregularidades.

Após confirmar que as denúncias eram verdadeiras, a promotoria instaurou inquérito para investigar as falhas na unidade hospitalar e pode entrar com ação na Justiça contra o município.

Relatório aponta vários problemas

O site Política Macuxi teve acesso ao relatório que embasou a denúncia ao Ministério Público e confirmou que os problemas no hospital infantil detectados pelos fiscais podem causar prejuízos aos pacientes se não forem sanados.

No momento da vistoria, foi detectada também a superlotação de pacientes e insuficiência de profissionais, inclusive, médicos nos setores de urgência e emergência e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Na UTI, os fiscais também viram que a unidade não cumpre os prazos para acesso imediato ao atendimento e para a espera de internação, que é de 120 minutos. O tempo de permanência em observação na emergência também ultrapassa o prazo máximo, que é de 24 horas.

A reportagem entrou em contato com o Ministério Público Estadual que informou que o órgão não comenta inquéritos abertos recentemente, mesmo eles sendo públicos.

Também entrou em contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Boa Vista, mas até o fechamento da matéria eles não retornaram a demanda. O espaço está aberto.

Deixe uma resposta