Prefeitura compra sacos para enterrar vítimas de coronavírus

Prefeitura compra sacos para enterrar vítimas de coronavírus

A Prefeitura de Boa Vista comprou 10 sacos especiais para enterrar exclusivamente vítimas de coronavírus nos cemitérios da capital. O pedido foi feito de forma emergencial e atende determinação técnica no manejo de corpos com alto risco de contágio.

Procurada pelo site Política Macuxi, a gestão da prefeita Teresa Surita (MDB) ainda não esclareceu a base de dados usada para calcular a quantidade de material comprada no valor de R$ 5,6 mil. Mesmo assim, os 10 sacos dão uma dimensão de que a administração prevê uma baixa no número de mortes nas próximas semanas.

Esta é a primeira vez que a prefeitura publica edital com licitação para compra desse tipo de produto.

No termo de referência, a prefeitura afirmou atender determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) relacionada ao sepultamento de pessoas infectadas.

De acordo com o documento, os corpos devem ser envolvidos em uma lona protetora, confeccionado em material impermeável, antes de serem colocados dentro dos caixões.

Na semana passada, o Cemitério Campo da Saudade, o maior da capital, localizado na zona leste de Boa Vista, já havia registrado ritmo maior de abertura de novas covas.

De acordo com funcionários do cemitério, a alta demanda de sepultamentos tem exigido a abertura do dobro do habitual antes da pandemia. Até esta última quarta-feira, 1º, morreram 314 pessoas em Roraima e 135 óbitos ainda estão em investigação.

Para evitar a disseminação do vírus nos cemitérios, corpos de pessoas que morreram com sintomas da doença, como insuficiência respiratória, são sepultados em caixões lacrados.

Os velórios foram limitados a até 10 minutos e com presença limitada de até 10 pessoas. O aumento de enterros nesses moldes tem desabastecido os funcionários de equipamentos de segurança individual.

Compra de Caixões

Em maio, a prefeita Teresa Surita (MDB), comprou sem licitação, 150 serviços funerários, incluindo caixões e translado de cadáveres até o cemitério, para enterrar exclusivamente vítimas de coronavírus

O pedido foi feito de forma emergencial e quatro empresas foram convidadas a apresentar propostas.

Segundo o Termo de Referência 006/20 a empresa escolhida foi contratada pelo valor de R$ 164 mil para realizar o serviço funerário.

Dos 150 caixões, apenas 10 foram pedidos com dimensões para corpos de crianças desde as menores, com 0,60 centímetros até 1,40 metro de altura.

A contratação prevê ainda a compra de 110 urnas para pessoas de 1,60 a 1,80, a média de altura dos moradores de Boa Vista.

Também foram compradas 10 caixões para os mortos mais altos, medindo de 1,90 a 2,10, cada e outras 10 para os mais gordos, tamanho G,GG e EXTRA GG esses custando quase 3 mil reais cada.

Deixe uma resposta