Ar em Boa Vista se tornou um dos mais poluídos do planeta por conta das Queimadas

Crédito:

Compartilhe:

Na manhã de terça-feira, Boa Vista, a capital de Roraima, amanheceu com seu ar classificado como o 15º mais poluído do mundo. Essa constatação vem do Índice Mundial de Qualidade do Ar, que aponta a cidade como um dos locais atualmente mais perigosos para a respiração devido a uma densa “nuvem de fumaça”.

Essa poluição é resultado direto das queimadas que ocorrem tanto no estado quanto em territórios vizinhos, afetando severamente a visibilidade pelas ruas e avenidas da cidade.

A classificação recebida por Boa Vista, marcada como “perigosa”, é a mais alarmante possível nesse índice. Isso significa que a qualidade do ar atual pode causar danos significativos à saúde de todos os habitantes, com efeitos potencialmente graves. Diante dessa situação, as autoridades recomendam que a população evite atividades físicas ao ar livre.

O monitoramento, que foca em partículas PM 2,5 – extremamente finas e prejudiciais à saúde -, indicou que Boa Vista atingiu o nível 352 na escala que vai de 0 a acima de 300, colocando a cidade muito além do limite considerado “perigoso”. Para se ter uma ideia, o topo deste ranking mundial é ocupado por Prayagraj, na Índia, com um nível impressionante de 999.

O registro de focos de queimadas em Boa Vista e arredores foi confirmado pelo Sistema Eletrônico de Vigilância Ambiental (Selva), evidenciando a origem desse grave problema ambiental.

Neste contexto preocupante, a recomendação para proteger a saúde contra a poluição do ar inclui o uso de máscaras, especialmente o modelo N95, que é capaz de filtrar cerca de 95% das partículas poluentes. Esse cuidado é fundamental para minimizar os impactos da poluição na saúde da população de Boa Vista diante de uma das suas piores crises de qualidade do ar.

Quem corre risco e o que fazer

Sintomas: os sinais mais comuns desencadeados pela inalação de nuvens de fumaça desse tipo são tosse e secreção. O fato de a fumaça atingir os grandes centros urbanos durante o inverno, quando a umidade relativa do ar atinge índices baixos, aumenta a preocupação. Crises de rinite e conjuntivite podem ocorrer pelo contato com a fumaça.

Grupo mais frágil: As pessoas que têm doenças respiratórias podem ser as mais atingidas pelos efeitos da fumaça. Para o restante da população, riscos existem, mas é menor a chance de ter maiores complicações

Soluções caseiras: o recomendável é manter o uso das máscaras de proteção facial, as mesmas que já têm sido usadas n pandemia da Covid-19.

O pneumologista do Hospital Beneficência Portuguesa, Philippe Colares, sugere o aumento da umidade do ar dentro das residências, seja com umidificadores ou soluções caseiras, como bacias de água ou toalhas molhadas nos cômodos.

Tão ruim quanto o cigarro: As fumaças de queimadas atuam nos pulmões e os mais vulneráveis são, sem dúvida, idosos e pacientes de doenças respiratórias crônicas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE