You are currently viewing Assembleia inicia rito para votar prisão de deputado
Eleição da Mesa Diretora precisa passar por regras (Foto: Supcom ALERR)

Assembleia inicia rito para votar prisão de deputado

Em nota encaminhada à imprensa, a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Roraima (MPRR) esclareceu que, em relação às informações veiculadas pela imprensa sobre a prisão do deputado estadual Jalser Renier (SD), na tarde desta sexta-feira, 1° de outubro, somente agora à noite recebeu o comunicado oficial do Poder Judiciário de Roraima sobre o fato em questão.

Diante do recebimento da comunicação oficial, a Mesa Diretora afirmou que irá seguir o rito, conforme estabelece o Regimento Interno, encaminhando a cópia integral dos autos para apreciação da Comissão de Constituição, Justiça e Redação Final (CCJ) que terá a responsabilidade de conduzir o processo para apreciação do Plenário da Casa.

Esclareceu ainda que, no decorrer de todo o procedimento interno, dará ampla publicidade para que a sociedade roraimense acompanhe a dinâmica a ser seguida até a conclusão, para que todos tenham a certeza de que o Poder Legislativo de Roraima cumprirá seu papel em relação a esse caso.

Entenda- A juíza Graciete Souto Maior determinou neste dia, 01, a prisão preventiva do deputado estadual Jalser Renier Padilha.

A magistrada é relatora do processo movido contra o parlamentar no caso do sequestro do jornalista Romano dos Anjos.

O mandado de prisão preventiva contra Jalser foi cumprido pelo promotor de Justiça Isaias Montanari Junior e pelo delegado da Polícia Civil, João Evangelista.

Cerca de 70 policiais civis e militares, e agentes do Gaeco cumpriram 04 mandados de prisão preventiva e 08 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça de Roraima, na cidade de Boa Vista.

Também foram convertidas em prisão preventiva, as 07 prisões temporárias cumpridas na primeira fase da Operação Pulitzer, deflagrada no último dia 17 de setembro. À época, um coronel, um major que já chegou a comandar o Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PMRR, dois subtenentes, um sargento, e dois soldados foram alvos.