You are currently viewing Governo de Roraima pede carteira de vacina para servidor público

Governo de Roraima pede carteira de vacina para servidor público

Em meio a planos de reabertura das escolas, o Governo de Roraima têm se mobilizado para reforçar a importância da vacinação contra a covid-19. Entre as medidas adotadas está a necessidade de servidores públicos tomarem a vacina contra a covid-19.

O Decreto 30.866-E publicado nesta terça-feira (17) determina que servidores públicos estaduais devem se imunizar contra covid.

A determinação do governador Antonio Denarium (Sem Partido) considera decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), de que autoridades poderão adotar medidas de vacinação compulsória, e afeta servidores elegíveis nos grupos de vacinação estabelecidos que desempenham funções na administração direta, autarquias e fundações. Para o governo, quanto maior a quantidade de pessoas vacinadas, menos circulação do vírus

 

“Aprovamos um novo decreto que colabora para administrar essa fase epidêmica. A escolha do governo é apostar no servidor público vacinado. A vacinação é a única forma que nós temos para retomar de forma segura e responsável todas as atividades”, afirmou o governador Antonio Denarium.

O Decreto considera o fato dos servidores que se encontravam em regime de teletrabalho já terem retornado ao trabalho presencial.

Também considera o fato de a vacina ser, até o momento, o meio mais eficaz para combater a propagação do vírus e a mortalidade por ele causada, pois diminui as chances de infecção e, principalmente, a gravidade da doença.

O Governo de Roraima considerou ainda os dados constantes nos últimos Boletins Epidemiológicos e as recomendações da Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde – CGVS do Estado de Roraima, para a tomada de decisão.

Como o decreto será cumprido

Para o cumprimento do decreto, os servidores do Poder Executivo devem apresentar na sua unidade de lotação, cópia da Carteira de Vacinação destinada à anotação de doses do imunizante contra a Covid19, como forma de promover a atualização cadastral e de o governo fazer o acompanhamento da imunização dos servidores.

A não apresentação do documento implicará em irregularidade da situação cadastral do servidor, o que poderá acarretar o corte da frequência ou a suspensão do pagamento daqueles que deixarem de justificar a irregularidade.

Os dirigentes dos órgãos e unidades do Executivo ficarão responsáveis pela adoção das medidas necessárias ao cumprimento do Decreto.

Deixe um comentário