You are currently viewing Assembleia Legislativa promove debates em comemoração aos 15 anos da Lei Maria da Penha 

Assembleia Legislativa promove debates em comemoração aos 15 anos da Lei Maria da Penha 

Uma mesa-redonda realizada na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) nesta terça-feira (17) celebrou os 15 anos da Lei Maria da Penha, sancionada em 7 de agosto de 2006. O evento, promovido pela Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Legislação, aconteceu no Plenarinho Valério Caldas Magalhães e contou com a participação de parlamentares, autoridades do Judiciário, da advogada Fayda Belo e da atriz Luiza Brunet, ambas ativistas de proteção e do combate à violência de gênero.

Em debate, os avanços e desafios da luta em defesa da mulher no Estado. O vice-presidente da ALE-RR, Marcelo Cabral (sem partido), destacou a importância da Casa promover esse tipo de discussão. “Este trabalho é fundamental na nossa sociedade. Temos que debater e apoiar as mulheres de Roraima”, afirmou.

O evento foi mediado pela deputada Yonny Pedroso (SD), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Mulher. A parlamentar destacou que Roraima lidera o ranking de violência doméstica no Brasil e, muitas vezes, esse ciclo é contínuo e duradouro. “Nós não podemos nos calar, temos que nos envolver e buscar transformar essa realidade. Muitas vezes, quando as mulheres vão denunciar este tipo de crime, elas não são acolhidas de maneira correta”, disse.

A procuradora especial da Mulher, deputada Betânia Almeida (PV), citou o trabalho desenvolvido pelo Centro Humanitário de Apoio à Mulher (CHAME), órgão ligado à Procuradoria Legislativa. “O CHAME desempenha um trabalho belíssimo de acolhimento com apoio jurídico e psicológico às vítimas de violência doméstica e familiar. Em breve, iremos inaugurar uma nova sede para melhorar ainda mais estes atendimentos”, informou a parlamentar.

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL

Entre as convidadas, a advogada especialista em crimes de gênero Fayda Belo, que atua na proteção das mulheres e compartilha informações e orientações nas redes sociais, com o objetivo de alcançar um público ainda maior. De acordo com ela, é necessário que os poderes atuem em conjunto para reduzir estes tipos de crimes.

“A Lei da Maria da Penha é referência e deve ser executada da melhor forma possível pelo poder público, e os agressores devem ser punidos. Amor não dói, não machuca e não viola, e se houver agressões ou abusos, é importante que as vítimas denunciem imediatamente”, destacou.

A outra convidada especial do evento foi a atriz, modelo e ativista Luiza Brunet. Em um discurso emocionado, a embaixadora do combate à violência contra mulheres do Instituto Avon lembrou as agressões sofridas por ela.

“É necessário que as mulheres tenham informação sobre o tema. A pauta ganhou uma amplitude enorme e ela deve ser discutida continuamente. É importante que as mulheres tenham esse respaldo dos órgãos públicos e denunciem, caso precisem”, aconselhou.

Lei Maria da Penha

A Lei 11.340 foi sancionada em 7 de agosto de 2006 com o objetivo de coibir a violência doméstica e familiar no País. A legislação foi batizada em homenagem à farmacêutica cearense Maria da Penha, que ficou paraplégica após levar um tiro do marido, pai de suas três filhas, em uma segunda tentativa de homicídio contra ela, em 1983.

A história de Maria da Penha ganhou repercussão internacional quando ela acionou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) em busca de uma solução, após aguardar a Justiça brasileira por 15 anos. O caso mostrou a fragilidade enfrentada pelas brasileiras vítimas de violência que não eram acolhidas pelo Estado.

Deixe um comentário